Guerra Fria sem fim

FREDERICO MORIARTY – Em menos de três anos morreram três líderes soviéticos. A crise política era acentuada pela econômica. A corrida armamentista consumia 10% do PIB norte-americano e 40% da renda do país comunista. A solução era trazer um jovem economista para o Politburo: Mikhail Gorbatchev. O camarada Gorbi adotou uma política de contenção e aproximação com os Estados Unidos. Ao mesmo tempo lançou o audacioso plano de reformas neoliberais denominada Perestroika. Propôs ainda democratizar o país e a relação com as Repúblicas Socialistas, por meio da Glasnost. Virou celebridade, recebeu Nobel da Paz, lançou livro e vendia mais que Sidney Sheldon. A Guerra Fria derretia.

Mas para Stallone as ideias estavam fora do lugar. Nos anos 70, o ator mediano encarna a esperança branca no boxe. O Garanhão Italiano era a única forma de um peso-pesado superar a supremacia negra de Cassius Clay, George Foreman e cia. Os lutadores de boxe e a categoria dos pesados eram tão populares no mundo quanto o futebol(isso entre os anos 60 até o ocaso de Mike Tyson). Nesses quase 40 anos nenhum lutador branco se destacou. Rocky Balboa vingaria a América dos pais fundadores. O ator canastrão ganhou vários Oscar com o filme de 1976. Nós, a multidão silenciosa, caíamos em lágrimas com a história de superação e luta. Rocky virou série. Stallone tornou-se o herói americano dos anos 80, incluindo aí o soldado que venceu sozinho a Guerra do Vietnã: Rambo.

Outro ator canastrão, Ronald Reagan, presidiu os EUA entre 1980 e 1988. Ultraconservador nos costumes, Reagan abriu as portas à globalização. Enquanto quebrava as fronteiras comerciais, mantinha um anticomunismo feroz. Um ano depois da Perestroika, Stallone irá salvar a América do comunismo. Rocky 4 trouxe a vingança do lutador americano. No filme, Apollo Creed, o boxeador negro amigo de Rocky é espancado até a morte por um lutador soviético. Ivan Drago era um armário de 2m e 120kg de músculos. Impiedoso, brutal e com cara demoníaca, afinal os comunistas não sorriem.

Rocky repete o mesmo modelo dos três primeiros filmes: raiva, ceticismo, treino pesado (na Sibéria, neste caso) e desafios impossíveis. Não era mais uma luta de boxe, agora teríamos Capitalismo versus Socialismo; Oeste versus Leste. Até os shorts dos lutadores eram um retrato de uma Guerra Fria que acabara há 30 anos. Rocky vestia a bandeira americana; Drago, a foice e o martelo num cetim vermelho. O maniqueísmo era tanto que a namorada de Rocky era a pobre e indefesa Adrian. Drago trazia uma robô sem sentimentos (e cara de muito má). Era preciso odiar o comunismo. O filme é péssimo, mas um retrato de como pode ser amarga a extrema direita. Nem a música escapa da mediocridade: a trilha sonora original do primeiro filme é marcante. No filme seguinte tivemos Eye of the tiger. Rocky 4 conseguiu ser pior que um cd dos Los Hermanos.

Mas é exatamente por isso que merece ser visto: como uma lição do que não fazer e por trazer o espírito da época. Um Rocky brasileiro atual enfrentaria um boxeador venezuelano com seu esquizi de piroca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: