Prefere o ódio quem se alimenta dele


VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) E PEDRO NEGRÃO (FOTO) – De tempos em tempos conceitos caem, substituídos ou obsoletos, mas desumanizar não é tolerado, aliás, não devia ser. Em que pedaço do caminho passamos a ignorar a bússola do bom senso?
Como viemos parar aqui? Com tantas possibilidades, chegamos ao consenso de optar pelo mais vil dos destinos?

Hannah Arendt cunhou a expressão “banalidade do mal” que se remete ao ser humano comum que não se responsabiliza pelo que faz de ruim e acredita que não há consequências do seus atos para os outros. Que se esvazia de criticidade ao olhar o mundo e ignora outros pontos de vista senão os seus e dos que se assemelham a ele.

Conservar pressupõe cuidar, mas usurpam seu significado para justificar maldade. E onde vai desembocar essa ignorância disfarçada de conservadorismo?
A linha tênue que separa o conservar e o regredir foi violada. Do lado de cá do muro eu rogo pelos humanos que ainda somos. Ou deveríamos ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: