Adeus Antunes Filho

JOSÉ SIMÕES – O teatro brasileiro perdeu ontem uma das suas principais referencias vivas da geração pós TBC. Todavia para quem trabalha e vive do teatro o partir, o vir, o nascer, o morrer estão sempre engendrados. Vive-se no teatro a presença. Sem passado ou futuro. Somos passageiros nesse ofício.

Quem se adentra no mundo do palco metaforicamente mergulha no escuro ou num precipício. Nele vida e morte fazem pouco sentido no tempo. O que importa é o espetáculo, razão de vida, o espaço vivido e usado naquele momento. Afinal o que se busca é sempre o poético e o vir a ser do homem.

O teatro é o local da redenção e queda do homem.

O palco do Teatro Anchieta – a casa de Antunes Filho –  iluminado, cheio de emoções e afetos, na foto do querido Adolfo Mazzarini, é a síntese de uma vida dedicada ao teatro. O resto é silêncio.

Obrigado Antunes Filho. Obrigado.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: