Palavras Negras: o racismo na literatura brasileira

LUIZ PIEROTTI – Há algum tempo, falamos sobre a escritora Carolina Maria de Jesus, mulher negra, favelada, e muito importante para a história da literatura brasileira, assim como para a compreensão dos processos de marginalização que nos rodeiam.

Machado de Assis Real“, projeto da Faculdade Zumbi dos Palmares

Mas ela não foi a única, diversos outros escritores sofreram racismo dentro de seu meio cultural, de diferentes formas, ao longo de suas vidas. Alguns deles, nomes importantíssimos para a literatura brasileira.

Machado de Assis negro

O caso mais emblemático ocorreu com o “Bruxo de Cosme Velho”. Um dos escritores mais importantes do Brasil foi diversas vezes retratado como um homem mestiço, ou mesmo branco.

As duas versões da propaganda vinculada pela Caixa

Porém, a intenção racista de embranquecer o autor não se limitou apenas à elite brasileira do século XIX, que não podia lidar com o fato de que seu maior escritor era, também, alvo de seu maior preconceito. Em 2011 uma propaganda da Caixa foi tirada do ar e, posteriormente, regravada por conta da mesma intenção.

Leiam o simbolista, esqueçam o abolicionista

João de Cruz e Sousa foi um poeta catarinense, maior nome do simbolismo brasileiro, negro, alforriado, e rodeado por fortes teorias racistas.

Seu incrível talento o elevou ao cânone da literatura brasileira, porém a cor de sua pele cobrou um preço caro ao longo de sua vida.

O poeta João de Cruz e Sousa

Apesar da forte presença de temática abolicionista, escrevendo como uma espécie de porta voz da coletividade negra, lhe foi retirada a militância. Hoje, conhecemos o poeta Cruz e Sousa como um mestre do simbolismo, quase um Rimbaud brasileiro, brincando entre cores e sons, mas negamos a herança de luta que este protagonizou no sul do Brasil.

Hoje, o Máquina do Mundo os convida para repensar a questão racial em nossa cultura, e perceber que, não raramente, o racismo dominou a literatura brasileira.

Leia também

Não Esqueçamos Carolina

As novas cores de Rimbaud

Baobá: do estudo ao convívio

Um comentário em “Palavras Negras: o racismo na literatura brasileira

Adicione o seu

  1. Fabuloso, O embranquecimento de M. de Assis é um processo social que ainda não terminou, infelizmente. Muito bons e esclarecedores o artigo e o vídeo. Gostei muito de saber mais sobre o Cruz e Souza. Parabéns, Pierotti! Sempre um bom conteúdo para nos informar e fazer pensar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: