Rubem e Gumercindo

GERALDO BONADIO – Em 1963, então com 21 anos, por conta da aposta mais louca que Vitor Cioffi de Luca fez em sua vida de editor de jornais, troquei meu emprego de segunda a domingo na Rádio Cacique pela incumbência de produzir as seis edições semanais do Diário de Sorocaba.

Nunca havia trabalhado numa redação de jornal, mas o Vitor, acolhendo numa recomendação do mestre José Duarte Vannucchi, me confiou a difícil tarefa de suceder, no jornal que começara a circular quatro anos antes, Sérgio Coelho de Oliveira que, em razão de sua semelhança com o meia esquerda do melhor time que a Portuguesa de Desportos teve em todos os tempos, passou a ser conhecido Pinga.

O novo trabalho exigiu mudanças.

Troquei a Cacique, onde, durante três anos, passara por praticamente todas as funções, exceção feita à crônica esportiva e ao que se chamava à época de técnica de som, pela tarefa de conduzir a produção das edições quotidianas do jornal, que à época ainda funcionava num sobrado na esquina das ruas da Penha com a Maylasky.

Nos anos de Cacique minha jornada diária começava às 6 da manhã, quando o prédio da rádio, na Miranda Azevedo, próximo à Manoel José da Fonseca, era aberto e se iniciava a programação do dia, da qual eu era o locutor comercial. No Diário, a jornada começava no início da tarde e ia até o fechamento da edição. O mais complicado foi trocar as aulas noturnas da OSE, onde eu cursava a 3ª série do ginásio – equivalente ao atual 6º ano do ensino fundamental -, nas quais dividia o espaço da sala de aula com pessoas de idade semelhante à minha, passando a conviver com adolescentes, em média, seis anos mais novos.

Vivia o Brasil, naquele momento, um processo de efervescente debate político e eu, por conta disso, comecei a trocar minhas posições conservadoras por outras mais à esquerda. Tornei-me diretor do Grêmio Estudantil “Dr. Cyrillo Freire”, comecei a conviver com estudantes ligados à Juventude Estudantil Católica, na maioria alunos do Estadão, e, em pouco tempo, deixei de me empolgar com a brilhante retórica incendiária – mas empedernidamente direitista – de Carlos Lacerda e a me interessar por posições mais à esquerda. Nem sempre encontrava, na cidade, os livros que gostaria de ler e comecei a adquiri-los pelo Correio.

À época, morava com meus pais na rua Ubirajara, Vila Gabriel, e meu acesso ao Correio se fazia por uma agência situada na vizinha Vila Progresso. Um dia, recebi ali o aviso de uma encomenda, a ser retirada na Agência da rua São Bento, que tinha a certeza de não haver feito. Como eram livros e o valor do reembolso postal cabia no bolso, retirei o pacote.

Continha três livros de uma editora – a GRD – desconhecida para mim. Um destes, “Os prisioneiros”, reunia contos de um autor do qual nunca ouvira falar antes e cuja temática e vocabulário me deixaram entre surpreso e assustado. Tornei-me, assim, um dos primeiros sorocabanos a ler Rubem Fonseca, que morreu hoje, no Rio de Janeiro, aos 94 anos.

Mais de um quarto de século depois, durante um biênio em que residi em São Paulo, vim a conhecer o editor – Gumercindo da Rocha Dórea, baiano grapiuna, como Jorge Amado e Jacob Gorender, mas, ao contrário deles, integralista – que me contou a história do livro.

Fonseca, advogado da Light no Rio de Janeiro, confiava à secretária a tarefa da datilografia final dos contos, com a ordem de mantê-los ocultos numa gaveta. Ele os descobriu, impressionou-se com o estilo, conseguiu que ela lhe repassasse uma cópia dos textos e os editou sem que o escritor soubesse antecipadamente.

Isso assegurou a um dos mais bem sucedidos ficcionistas brasileiros, posteriormente membro da Academia Brasileira de Letras e ganhador do Prêmio Camões, um lugar no fantástico rol dos editados de Gumercindo. Pioneiro da ficção científica no Brasil – editou, inclusive, um dos primeiros brasileiros a se arriscar no gênero, o jurista Rubens Teixeira Scavone, que tive como professor de Direito Internacional na FaDi – seu leque de editados é o mais variado possível. Para ficarmos só nos brasileiros, abriga múltiplas tendências artísticas e ideológicas, vai de Benedito Rui Barbosa (o da novela Pantanal) a Nélida Piñon, de Abdias Nascimento a José Alípio Goulart.

O Guga, como o conhecíamos na Editora Convívio, quando lá trabalhei entre 1979 e 1981, editou ainda um segundo e não menos impactante livro de Rubem Fonseca, “A Coleira do Cão”, que li, também, na edição inicial.

Com mais de 90 anos, é hoje um dos mais vetustos editores brasileiros e, apesar dos poucos recursos com que sempre trabalhou, também um dos mais importantes.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: