Carta inédita de Escobar a Capitu

Estes dias deixaram em minha surrada caixa de correio, uma pequena caixa de papelão envolvida naqueles papéis rosa de mercearia barata. Dentro havia uma correspondência antiga tendo como destinatário FREDERICO MORIARTY. Reproduzo-a abaixo e com exclusividade para os leitores do Terceira Margem pelo inestimável valor estórico e por entender ser verídica e autêntica sua origem.... Continuar Lendo →

Fora da Margem, Ano 2, Edição 60

FORA DA MARGEM - Em meio a um dos maiores desastres ecológicos do país, que inclui as queimadas do Pantanal mato-grossense e o desmatamento sem precedentes da Amazônia, o mundo se surpreendeu com o discurso presidencial na ONU, na semana que passou, ao apontar os índios (sim, os povos resilientes que protegem bravamente nossas florestas) como os principais responsáveis pelo caos ambiental do Brasil. Nonsense total. Este e outros temas do nosso cotidiano estão nesta edição inédita do Fora da Margem. Não deixe de conferir, começando de forma bem humorada a semana e refletindo sobre este e outros vexames que o país hoje protagoniza na contramão do mundo civilizado.

Os prefeitos da região metropolitana de Sorocaba na mira da Cultura: improbidade administrativa

JOSÉ SIMÕES (Blog do Simões) - Os artistas da Região Metropolitana de Sorocaba estão mobilizados e acompanham passo a passo todas as ações relacionadas à transferência dos recursos da Lei Aldir Blanc para o municípios. Alguns municípios da região não estão fazendo a lição de casa. É o caso, por exemplo, de Boituva, Pilar do Sul e São Roque. Os movimentos artísticos e culturais já avisaram que se o Prefeito (ou Prefeita) não se interessar pelo recurso e não pleitear a lei Aldir Blanc poderá sofrer uma ação no Ministério Público por irresponsabilidade e omissão, frente ao período de calamidade pública. Uma vez que o recurso estava garantido pelo repasse da União.

Fora da Margem, Ano 2, Edição 59

FORA DA MARGEM – As queimadas no Pantanal e o desmatamento da Amazônia. A disparada do preço do arroz e da cesta básica. E, como não poderia deixar de ser, o costumeiro "E daí"? presidencial. Pior: a pasmaceira das instituições e a inexplicável indiferença da sociedade brasileira diante do caos ecológico e econômico do país, dos mais de 13 milhões de desempregados e da normalização da transmissão da Covid, com quase 1.000 vítimas diárias, e o vírus à espreita em bares, shoppings e praias hiperlotados. Embora pudessem integrar um filme de horrores, todos esses assuntos estão nesta edição dominical e sempre inédita do Fora da Margem. Não deixe de dar uma espiada.

Novos editais PROAC EXPRESSO com os recursos da Lei Aldir Blanc

JOSÉ SIMÕES (Blog do Simões) - Já estão abertos os novos editais estaduais de auxílio emergencial aos artistas da lei Aldir Blanc. As inscrições se encerram no dia 03 de novembro. Não deixe para a última hora. Provavelmente os prazos não poderão ser estendidos, uma vez que os prazos para o julgamento dos projetos pelas comissões são exíguos. Sempre é bom lembrar que em todas as categorias 50% do total dos prêmios são destinados para os artistas residentes no interior do estado.

Os outros

FREDERICO MORIARTY (CRÔNICA) Ela colocou o melhor e mais caro biquíni. Amarrou no ponto exato em que o derrieré parece maior e mais arredondado. Não só isso, o nó servia para ressaltar o corpo e o desejo de quem visse. Parou em frente a cascata artificial. Deixou algumas gotas respingar sobre o corpo e começou... Continuar Lendo →

Rua das Pedras, 65

RUBENS NOGUEIRA (Blog Antes que me Esqueça) - Essa Rua das Pedras 65, para quem já foi a Búzios, é muito conhecida. O número 65 indica o ano seguinte à primeira presença de Brigitte Bardot naquele paraíso. Tão famoso ficou que logo foi descoberto pelos argentinos e virou um pandemônio, para usar a palavra do dia.

Fora da Margem, Ano 2, Edição 58

FORA DA MARGEM – A disparada do preço do arroz. A carestia de volta à vida dos brasileiros. Estagnação econômica. Desemprego. E tudo isso em meio a um cenário de inexplicável afrouxamento da quarentena com praias e bares abarrotados de gente. Todos esses assuntos e outros mais compõem esta seleção inédita do Fora da Margem. Não deixe de conferir e se divertir.

Como Temer e Bolsonaro estão tirando o arroz da mesa do pobre

GERALDO BONADIO (Blog do Bonadio) - O governo e a grande mídia têm feito o quanto podem para impedir que as pessoas entendam por que isso está ocorrendo. Não poderia ser de outra forma. Ambos são culpados por esse iminente desastre alimentar. O governo atua de forma incompetente e insensível; a grande mídia se acumplicia com tal realidade através do silêncio.

Em busca da felicidade: Aristóteles e sua Ética

MARCELLO FONTES (Blog Em Toda e Em Nenhuma Parte) - Ser ético para Aristóteles é acima de tudo ter uma boa vida em sociedade, o que só seria possível partilhando a característica racional comum a todos os seres humanos como orientadora das ações equilibradas, que deverão assim conduzir à felicidade.

Feiticeiras, Sabás, a Santa Inquisição e a caça às bruxas

FREDERICO MORIARTY - Marina Raskova, Yekaterina Budanova, Maryia Smirnova e Yevendokia Bersghanskaia eram as Naschthexen. Pilotas da Aeronáutica Soviética, elas pertenciam ao 588° Regimento de Bombardeiros Aéreos. Voavam com um teco-teco de madeira e lona utilizado para pulverizar o campo comunista até 1942. Tornou-se um dos únicos regimentos femininos de toda a 2° Guerra.

Em algum lugar do passado

FREDERICO MORIARTY (Blog Pipocando La Pelota) - Estamos em 1980 e uma nonagenária entrega um relógio a um belo rapaz. Trata-se de um relógio de bolso datado de 1912. A peça vem acompanhada de uma fala "volte para mim". O rapaz depois de muitas tentativas, consegue retornar ao passado. Entrega o relógio a uma jovem atriz de 20 anos. Era a mesma senhora que lhe deu o relógio 68 anos depois.

Navegações, escravidão e racismo

GERALDO BONADIO (Blog do Bonadio) - A escravização de populações da costa atlântica da África, predominantemente muçulmanas e negras, iniciou-se, com autorização papal, meio século antes de a frota comandada por Cabral, em navegação de Portugal para a Índia, apartar-se do seu rumo, derivar para o oeste e efetuar o achamento do Brasil. Essa a origem da escravidão negra neste país e do racismo estrutural que empesta e contamina as relações sociais aqui vigentes.

Acima ↑