Apenas um risível zepelim gigante

José Carlos Fineis

Nem as árvores, nem as nuvens,
nem os tijolos, nem as luas de Marte conhecem o tempo
Cansado do ofício de um jornal diário
onde o mundo e as pessoas se dividem entre ontem,
hoje e amanhã
invento um jornal sem tempo. E noticio:

Não importa para onde se vá
se só, ou se menos triste —
o ar é doce, a vida é vã
e a brisa do mar afaga os ressentimentos

Deixo-me, pois, inflar como um dirigível
e flutuo
sobre a orla do mar —
o mar
que reflete
as estrelas

Durante quantos anos
quantas vidas!
de sutis humilhações
afáveis espezinhamentos
tenho desejado ser
não quem ordena, não quem obedece:
apenas um risível zepelim gigante!

Flutuo, então, indiferente
Perpasso a paisagem noturna
e avisto os engenhos dos homens
e pressinto a presença de Deus

(De onde, meu Deus,
de onde
surgiu
esta doida alegria?)

Na distância, intermitente
brilha a orla respirável
de um planeta azul

Não importa
Não importa para onde se vá
(se triste, ou se menos só)
— senão a carga
de poesia
que se tem
dentro de si

Créditos das imagens
Céu estrelado:  FelixMittermeier por Pixabay 
Máquina voadora:  Gordon Johnson por Pixabay 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: