O rio depois da chuva


Há pouco

a chuva leve e constante

fez ressurgir as cores

Chegou mansa e por instantes

varreu as ruas

molhou o mato

lavou a alma de um rio:

mensageiro solitário

do tempo incomum que ainda agora

sem versos nem rimas

sopra fugaz uma canção indistinta

ávido de sonhos


Fotos: José Finessi. Poema: Sandra Nascimento

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: