Árvore caída na beira do rio lembra Meio Ambiente esquecido

SANDRA NASCIMENTO (Blog Rio Sorocaba conta histórias) - Na margem esquerda do rio Sorocaba, próximo à ponte da rua Padre Madureira, há uma árvore caída. Trata-se de um angico amarelo, conhecido também como cambuí, farinha seca, faveira, guarucaia, ibirá-puitá, sobrasil, tamboril-bravo. É uma espécie originária da América do Sul. No Brasil, ocorre desde o estado da Bahia até o Rio Grande do Sul. Sua copa costuma ser arredondada e encorpada. Em pé, chega a medir 25 metros. Segundo os cientistas, suas raízes são grandes e as sementes surgem encapsuladas em vagens. Sua florada normalmente acontece no verão, sendo que a primeira leva de 3 a 5 anos após o plantio. Costuma produzir muitas flores amarelas e a primeira florada pode durar até 60 dias. Infelizmente, a árvore da foto parece estar condenada.

Instabilidade ambiental põe em risco gerações futuras

SANDRA NASCIMENTO (Blog Rio Sorocaba Conta Histórias) - As queimadas na Amazônia trouxeram à tona antigas discussões sobre o meio ambiente. Em 2003, quando nossa equipe de vídeo trabalhava na produção do documentário “Sorocaba, o rio de nossas vidas” (Loja de Ideias, 2005, 34 minutos), Paulo Celso da Silva, professor de Geografia Humana e historiador, já explicava em entrevista que o critério ambiental dos dias atuais deve ser diferente do momento em que valorizar a industrialização e a urbanização eram mais importantes do que conservar a natureza.

No céu do Brasil, a enorme nuvem de fumaça proveniente da Floresta Amazônica retrata o fogo, a dor e a insensatez

SANDRA NASCIMENTO (Rio Sorocaba Conta Histórias) - Como milhares de brasileiros puderam testemunhar com seus próprios olhos, na segunda-feira, 19 de agosto, uma cortina de fumaça cobriu várias cidades do Estado de São Paulo, incluindo a capital, assim como áreas dos estados do Mato Grosso e Paraná. A enorme nuvem pôde ser vista do espaço e foi registrada pela Nasa por imagens de satélite. Por trás da extensa mancha, constatava-se a dramática realidade de se ter grande parte de uma floresta em chamas. Nada mais, nada menos do que significativos trechos da Floresta Amazônica.

Aves incríveis, cantadas em verso e prosa, habitam o rio Sorocaba

SANDRA NASCIMENTO - Algumas aves, bem diferenciadas por suas cores e tamanhos, estão sendo vistas frequentemente nas proximidades do rio. Para esta edição, apresentaremos cinco delas fotografadas às margens do Sorocaba na cidade de Boituva, pela fotógrafa Dag Astro. Foram escolhidas por inspirarem lendas, músicas, poesias e por fazerem parte do imaginário popular. (Blog Rio Sorocaba Conta Histórias)

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑