Pão, manteiga e muita saudade

NILSON RIBEIRO (Blog Observatório Plural) - Recentemente fiz uma postagem na rede social mostrando um pão com manteiga e uma xícara de café com leite, desejando bom dia a todos. Uma amiga muito sinceramente me recomendou menos pão, menos manteiga e até menos café (e açúcar) no desjejum. Disse-me ela que o ideal era substituir tudo por uma fruta, um queijo branco magro e um ovo cozido.

História de hospital

JOSÉ CARLOS FINEIS (Blog Conversa de Armazém) - Se eu fosse raso, poderia supor um diálogo possível e me apegar a ele. Mas a verdade é que qualquer coisa que eu imagine não tem valor nenhum.

Arte pela Arte

RUBENS NOGUEIRA (Blog Antes Que me Esqueça) - Em 1927 o cinema ganhou voz. Até então, os filmes eram mudos, isto é, sem voz humana, como se pode ver nas pequenas e geniais produções de Charlie Chaplin. Esse pequeno homem foi, junto com sua primeira esposa, pioneiro na produção de pequenas joias em preto e branco – filmes de uma parte, como se dizia.

Onde estás agora, Cunhataí?

RUBENS NOGUEIRA (Blog Antes Que me Esqueça) - Já não me lembro da lenda completa que envolve as Cataratas do Iguaçu, mas aquela maravilha da natureza nasceu das lágrimas de uma jovem, sabe Deus há quanto tempo. Já a floresta, que vai até onde termina o Parque Nacional, existe porque Santos Dumont convenceu Getúlio a criar o Parque Nacional do Iguaçu.

O sobrinho do presidente

RUBENS NOGUEIRA (Blog Antes que me Esqueça) - Aquele pessoal de Sorocaba – amigos sim, mas descrentes do que seria a vida do aventuroso companheiro, colega da escola e das algazarras do dia a dia, em uma cidade que tinha, na época, uns 40 mil habitantes – tentava dissuadir o colega de uma decisão que tinha tudo para dar errado, e o fiasco iria ser ruim para ele. Difícil não dar razão a eles, mas eu estava determinado a morrer em água grande.

Sem retorno

JOSÉ CARLOS FINEIS (Blog Conversa de Armazém) - A campainha que ficara silenciosa durante quase três meses soou como um eco de tempos felizes no apartamento de quarto (que servia também de sala), cozinha e banheiro. Elisa sabia que era ele, o louco. Vinha, conforme suas palavras, apenas “olhar para ela e conversar sem tocar em nada”, a distância segura. Talvez tomar um café, desde que ela entendesse que isso não a poria em risco. Afinal, ele a amava e, se ela consentisse, queria passar um quarto de hora em sua companhia, para matar a saudade.

Uma receita de infelicidade (conto)

JOSÉ CARLOS FINEIS – "Ahá! Aí está o problema -- exultou o guru. -- Seu marido é triste porque você não ri das piadas dele. Se você não rir, outra certamente rirá, e ele irá com a outra. Um lar sem dinheiro, sem romantismo e sem risos é como um torrão de açúcar numa chuva de verão: logo se desfaz."

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: