A arte pixelada de Han Hsu-Tung (entrevista)

LUIZ PIEROTTI - Há alguns meses, em meio a pesquisas despretensiosas pela internet, me deparei com o trabalho de um artista muito peculiar: esculturas em madeira, que mesclavam o orgânico e a tecnologia. Seu autor era Hsu Tung Han, escultor nascido em 1962, em Taipei, Taiwan, cujos trabalhos apresentam figuras dos mais variados tipos e... Continuar Lendo →

2020: o novo normal dos velhos horrores

LUIZ PIEROTTI - 2020 é indiscutivelmente um ano que ficará marcado na história. Um ano de isolamento, pandemia e de incontáveis mortes. O ponto zero do novo normal, porém, ornamentado de horrores e avanços nada novos. Quem poderia prever que ao longo de períodos onde a indicação universal, e racional, de ficar em casa para evitar um... Continuar Lendo →

Jornada II: Cenotáfio

LUIZ PIEROTTI - Sophia cuida do marido enfermo ao logo de toda uma noite Entre a solidão a tristeza e o medo, algumas lembranças das teorias existenciais do homem voltam à tona, ajudando a esposa a superar a situação e colocando-se como um enorme cenotáfio da sua história. Um grande monumento póstumo destinado ao que... Continuar Lendo →

Não há benefícios se existem vidas perdidas

LUIZ PIEROTTI (Blog Máquina do Mundo) - Assumo a culpa. Há tempos não nos encontramos por aqui, isso porque os últimos dias têm sido tão caóticos por aqui quanto, imagino, por ai. Porém, como gosto de tomar as vezes de “opinador”, resolvi tecer algumas palavras sobre a forma como estamos reagindo a esse período tão incerto e aflitivo da...

Brasil: sobre os ombros da servidão voluntária

LUIZ PIEROTTI - Por volta de 1549, um jovem francês chamado Étienne de La Boéti escrevia um discurso intitulado “Servidão Voluntária”. Nele, tratava do absolutismo francês e de como os servos desses reis voluntariamente aceitavam o totalitarismo imposto. Apesar dos quase 500 anos que nos separam do pensador francês, muitas de suas ideias ainda podem elucidar comportamentos frequentes da contemporaneidade .

Acima ↑