Aves incríveis, cantadas em verso e prosa, habitam o rio Sorocaba

SANDRA NASCIMENTO - Algumas aves, bem diferenciadas por suas cores e tamanhos, estão sendo vistas frequentemente nas proximidades do rio. Para esta edição, apresentaremos cinco delas fotografadas às margens do Sorocaba na cidade de Boituva, pela fotógrafa Dag Astro. Foram escolhidas por inspirarem lendas, músicas, poesias e por fazerem parte do imaginário popular. (Blog Rio Sorocaba Conta Histórias)

Lembra-se de Homero Homem?

RUBENS NOGUEIRA - Um menino de asas, um cabra das rocas, um nordestino arretado, um jornalista atuante, um escritor popular, um poeta maravilhoso, um ser generoso, um homem de esquerda, um pai afetuoso, um marido apaixonado, um homem brilhante – Homero Homem de Siqueira Cavalcanti. As reportagens semanais que ele assinava cobriam uma página inteira... Continuar Lendo →

Os tijolos de Jerico e outros poemas

JOSÉ CARLOS FINEIS ´- Em vez de muralhas, muretas (e Jericó era Jerico). Sim. Depois de muitos anos de pajelança, de muito bater o pé e levantar a poeira do deserto, desprendeu-se, lindo, impávido, o primeiro tijolo – e plof! (Dizem que Caim odiou Abel em menos tempo. Dizem também que Deus fez o homem em um quarto do tempo.) Sim.

A teus pés

RUBENS NOGUEIRA - O título é de um livro de Ana Cristina Cesar, ou Ana C. O jornal “Cruzeiro do Sul”- (27-01-18) reproduziu um texto de Maurício Meireles da Folhapress (página B1 – Mais Cruzeiro). O autor analisa o ensaio literário do filósofo e crítico literário Eduardo Jardim: “Tudo em volta está deserto”. Interessei-me e... Continuar Lendo →

Rios e quintais

SANDRA NASCIMENTO - A propósito das várias ideias e questionamentos que o mês de junho trouxe para o ambiente humano no planeta, vamos finalizando esse período – que celebrou o Dia Mundial do Meio Ambiente em 5/6 – com uma pequena mensagem. Trata-se de um poema que nasceu a partir da lembrança de um sonho... Continuar Lendo →

Ponte sobre o rio dos sonhos

RUBENS NOGUEIRA - Ah! Como é bom ler. Este burro velho, eterno aprendiz, tem a alma lavada diante do texto de Monica de Bolle (Revista Época, 12-11-18) (*). Ela cita Fernando Pessoa: “Da distância imprecisa, e, com sensíveis/ movimentos da esperança e da vontade,/ Buscar na linha fria do horizonte/ A árvore, a praia, a... Continuar Lendo →

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑