Nostalgia, memórias e outras sanroquices de um canguerense da gema

ROBERTO GODINHO (Blogueiro Convidado) - Sempre gostei de observar um cabo de enxada com um bom tempo de uso. Nasci e cresci no meio de lavradores. O cabo tem brilho, parece vitrificado, que foi sendo produzido pelo contato das mãos calejadas do lavrador e pelo suor do trabalho pesado. Um cabo de enxada de longo uso tem a dignidade e a beleza de um discreto troféu...

Ser escritor, o sonho de uma vida!

RUBENS NOGUEIRA (Antes que me esqueça) - Por que é tão mais fácil pensar? Tudo flui, como nos sonhos. Pôr no papel é que são elas. Tomar notas. Muitos anos depois a tarefa será factível. Cansaço físico. Lassidão. No fundo da cabeça o assunto. Quase pronto. Meu Deus, já se passaram quinze anos. Vai durar mil anos. Ou quarenta. Pensava: “não estarei aqui para ver”.

Lembra-se de Homero Homem?

RUBENS NOGUEIRA - Um menino de asas, um cabra das rocas, um nordestino arretado, um jornalista atuante, um escritor popular, um poeta maravilhoso, um ser generoso, um homem de esquerda, um pai afetuoso, um marido apaixonado, um homem brilhante – Homero Homem de Siqueira Cavalcanti. As reportagens semanais que ele assinava cobriam uma página inteira... Continuar Lendo →

O formidável James Joyce

RUBENS NOGUEIRA - Gustave Flaubert (1821-1880) deixou o seguinte pensamento: “O artista deve fazer com que a posteridade pense que ele não existiu.” Passados 120 anos da morte do grande romancista, autor do livro – entre outros – “Madame Bovary”, ninguém duvida que ele existiu. O que dizer então do herói deste dia 16 de... Continuar Lendo →

Acima ↑