Paulo Henrique Amorim

RUBENS NOGUEIRA (Blog Antes que me Esqueça) -- Meu registro no antigo INSS tem o número 468. Perdi a carteira de trabalho na Delegacia de Sorocaba. Nos muitos anos depois, minha coleção é de umas oito, sei lá. De uma anotação na loja de ferragens na Praça Tiradentes, passando pela Confederação Evangélica na rua Buenos Aires, Edifício da Bíblia, General Eletric, agências de publicidade e relações-públicas, Artes Gráficas Gomes de Souza, Standard Propaganda, e, desde 1976, Itaipu Binacional. Todo esse introito para explicar onde entra Paulo Henrique.

Zé Muleque, o leva e traz (conto). Parte 1: Todos (até dona Rosa) contra Zé

JOSÉ CARLOS FINEIS (Blog Conversa de Armazém) - Zé Muleque devia ter desconfiado de que havia alguma coisa errada quando foi convidado – ele, que entrava sem bater – para a sala do prefeito naquela manhã de sol. Desde que pisara na Prefeitura, sentira um excesso de mesuras no ar, incomum para um aspone que, embora sem cargo no papel, era considerado “gente da casa”.

Lembra-se de Homero Homem?

RUBENS NOGUEIRA - Um menino de asas, um cabra das rocas, um nordestino arretado, um jornalista atuante, um escritor popular, um poeta maravilhoso, um ser generoso, um homem de esquerda, um pai afetuoso, um marido apaixonado, um homem brilhante – Homero Homem de Siqueira Cavalcanti. As reportagens semanais que ele assinava cobriam uma página inteira... Continuar Lendo →

Roberto Marinho, mecenas brasileiro

RUBENS NOGUEIRA - Há tempos eu não sentia o fenômeno mental que um filósofo moderno resumiu na frase: “Nós somos o que lembramos.” Aconteceu quando li que a casa em que morou por muitos anos o doutor Roberto Marinho foi transformada em Centro Cultural – muito apropriadamente batizada como “Morada da Arte”. A casa fica... Continuar Lendo →

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑