Reprodução, arte e transformação

MARCELLO FONTES (Blog Em toda e em nenhuma parte) - A um clique, tudo se apresenta e pode ser fruído. Reproduz-se quase tudo de modos múltiplos e cada vez mais ágeis. Copiamos, modificamos e a partir daí produzimos novos conteúdos com os mais diversos formatos. Quais as consequências disso para a arte? O que acontece com ela quando é reproduzível de modo quase infinito?Para Walter Benjamin, este processo causa na obra de arte a perda de sua "aura", que consistiria naquele "aqui e agora" próprios daquilo que seria a obra de arte original, e que daria valor cultural, autenticidade e unicidade a ela. Com a possibilidade da reprodução, todo o conceito estético clássico de beleza e as categorias daí deduzidas sofrem mudanças profundas e definitivas. A própria noção de autenticidade passa a não ter mais sentido diante da reprodutibilidade.

A ignorância como fermento para a banalidade do mal

MARCELLO FONTES (Blog Em toda e em nenhuma parte) - O mal não estaria ligado à liberdade, mas à não liberdade. Aquele que perpetra o mal não é um “monstro” ou um ser necessariamente perverso ou cheio de motivações aterrorizantes, mas acima de tudo um Homem comum. Uma assustadora normalidade cerca o mal, que para Arendt evidencia-se principalmente no aspecto político e histórico, sem que se tenha qualquer evidência de que foi cometido por crueldade absoluta, mas principalmente por omissão e ignorância. O perpetrador do mal, para Arendt, nada tem a ver com o vilão tradicional ao qual muitas vezes nos acostumamos.

Tolerância x Intolerância = Intolerância

MARCELLO FONTES (Blog Em toda e em nenhuma parte)
- O intolerante, se for tolerado, causará em algum momento a destruição dos tolerantes e da própria sociedade que assim se posiciona. Isso porque o intolerante aproveitaria a tolerância a ele concedida para difundir e praticar suas ideias intolerantes, que incluem, como vimos, a eliminação de todo aquele que não for semelhante a ele. Seria uma tolice da parte dos tolerantes estenderem essa tolerância aos intolerantes. E essa tolice custaria muito caro.

Novo blog do Terceira Margem busca democratização da filosofia, para além das salas de aula e dos muros acadêmicos

TERCEIRA MARGEM - O professor de Filosofia Marcello Fontes é o mais novo integrante do Coletivo de Blogueiros Independentes Terceira Margem. Ele, que já havia publicado o artigo “Democracia, multiculturalismo e reconhecimento” no dia 10 de janeiro, na condição de blogueiro convidado, estreia agora com um blog fixo, intitulado “Em toda e em nenhuma parte”,... Continuar Lendo →

A Filosofia: em toda e em nenhuma parte

MARCELLO FONTES (Blog Em Toda e em Nenhuma Parte) - A Filosofia não tem um território, um limite, ou mesmo um método único; não é escrita de uma única forma, mas através de poemas, cartas, diálogos, tratados, aforismos, confissões, artigos e até romances. Nada é mais difícil de afirmar, à semelhança daquilo que puristas ou saudosistas fazem em relação à arte, à música ou à literatura, que “isso ou aquilo não é Filosofia”. Pois ela está em toda parte, ao mesmo tempo em que não está necessariamente em nenhuma.

Democracia, multiculturalismo e reconhecimento

MARCELLO FONTES (Blogueiro Convidado) - Cada indivíduo ou grupo deve ter sua identidade reconhecida, pois como dizia o filósofo canadense Charles Taylor “o reconhecimento errôneo não se limita a faltar ao devido respeito, podendo ainda infligir uma terrível ferida, aprisionando suas vítimas num paralisado ódio por si mesmas. O devido reconhecimento não é uma mera cortesia que devemos conceder às pessoas. É uma necessidade humana vital”.

Tema: Baskerville 2 por Anders Noren

Acima ↑