Lei Aldir Blanc: 14 milhões para a Região Metropolitana de Sorocaba

JOSÉ SIMÕES (Blog do Simões) - A Lei Aldir Blanc de auxilio emergencial à Cultura sancionada pela Presidência da República, dia 29 de Junho, poderá trazer um pouco de alento aos artistas e fazedores da Cultura da Região Metropolitana de Sorocaba. De acordo com as informações preliminares os 27 municípios da Região Metropolitana de Sorocaba receberão, aproximadamente, 14 milhões de reais.

A dramaturgia como formação de espectadores na região

JOSÉ SIMÕES -  Fiz uma  lista de desejos - que neste ano de 2020 foi mais extensa  - e dentre eles se encontra o que denomino como "dramaturgia como formação de espectadores". Eu gostaria que os os artistas, os grupos, os coletivos e companhias de teatro e região escolhessem textos considerados ou denominados clássicos para... Continuar Lendo →

Crítica teatro: O Amor do Soldado

JOSÉ SIMÕES (SOROCABA) - Pré estreia do espetáculo "O Amor do Soldado" de Jorge Amado, com direção de Mario Pérsico e atuação de Matheus Caruso, Valéria Nastri, Jefferson Pereira, Pedro Sales, Davi Gemelgo, Rafael Alexandre, Emily Azous, Sérgio Bacetti, Michele Sonsin. A pré estreia é o momento no qual o espetáculo encontra o público. O... Continuar Lendo →

Crítica: Rua sem saída

JOSÉ SIMÕES - Fazer teatro na ou para a rua não é nada fácil. Isso porque o espetáculo nesse espaço fica à mercê de várias interferências, tais como: barulhos dos carros, das motos, do vai e vem dos transeuntes, das condições climáticas, etc. Isso sem falar nas questões ligadas diretamente ao oficio teatral. Interpretar na... Continuar Lendo →

Crítica: Valsa nº6

JOSÉ SIMÕES - Valsa nº6 de Nelson Rodrigues, com direção de Angela Barros e interpretação de Gui Miralha, esteve em cartaz no Teatro Municipal Teôtonio Vilela, numa das raras temporadas teatrais realizadas nesse espaço, na cidade de Sorocaba. A peça foi escrita em 1951. No mesmo ano estreou no Rio de Janeiro, sob a direção... Continuar Lendo →

Valsa nº 6 –Nelson Rodrigues no Teatro Teotônio Vilela

Valsa nº 6 foi escrita pelo dramaturgo Nelson Rodrigues em 1951. Sua primeira encenação não recebeu boas críticas, tendo em vista a estrutura dramatúrgica proposta, na qual o autor, dentre outras questões, aponta para um diálogo direto com a música. A encenação desse texto é sempre um desafio. Segue o trecho de abertura do texto... Continuar Lendo →

Crítica teatro – Gavetas do Corpo

JOSÉ SIMÕES -   Gavetas do Corpo, o novo espetáculo da Camarim Cia de Teatro, toma como ponto de partida a discussão do corpo e da corporeidade neste tempo e lugar. São as histórias/memórias do corpo particular,  privado e  vivido pelos artistas interpretes,  rememoradas, disfarçadas, reconfiguradas, inventadas e recusadas que estão postas em cena. Gavetas do... Continuar Lendo →

Crítica teatro: As Criadas

JOSÉ SIMÕES - TT6 em cena. Jean Genet não é um autor fácil. Obra complexa e  com inúmeras possibilidades de se cair na tentação de classifica-lo e, de certo modo, empareda-lo e diminuí-lo. Sua história de vida - na bandidagem, na prisão, no comportamento pouco cordial e no envolvimento com intelectuais como Sartre- servem, por... Continuar Lendo →

A importância do texto no teatro

O poder é a escola do crime. (Macbeth)   JOSÉ SIMÕES - Antes de começar este post é preciso afirmar que qualquer texto pode ser teatralizado. Isto é: todo texto literário  ou não pode ser levado à cena. Tal como  poemas, literatura,  fábulas, etc. Mas há uma forma de escrita específica para o teatro -... Continuar Lendo →

Frankenstein – emocionante e necessário para os dias de hoje

JOSÉ SIMÕES -  Frankenstein de Mary Shelley ganha recriação de Sérgio Roveri, com atuava de Juliana Galdino e direção de Roberto Alvim, estará em cartaz no SESC Sorocaba,  dia 18 de abril, integrando o projeto Tudo é Mentira. Nesta versão de Sergio Roveri o monstro é composto por pedaços de cadáveres da guerra da Síria.... Continuar Lendo →

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: