Paulo Freire segue a salvo

POR VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) / PEDRO HENRIQUE NEGRÃO (FOTO) - No início da década de 60 havia mais de 15 milhões de analfabetos no nordeste. Isso representava cerca de 50% da população daquela região. Asa Branca, de Luiz Gonzaga denunciava em versos o que sofria essa gente. Mas pouco se fazia além da poesia.... Continuar Lendo →

Nossos irmãos Karirí Xocó

PEDRO NEGRÃO (FOTO) / VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) - Minha família teve a alegria de conviver por três dias com uma família Karirí Xocó. Vindos de Alagoas, trouxeram consigo a imensidão da alma da floresta, e deixaram conosco a brisa da esperança. Fizeram por nós muito mais do que seríamos capazes de retribuir. Nos fizeram... Continuar Lendo →

As existências mínimas

VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) / PEDRO NEGRÃO (FOTO) - Pouco acredito nos calendários, tampouco nos relógios, muito menos em datas comemorativas. Mas acredito nas pessoas. No coração que pulsa, nas falanges do bem. Como o abrigo do guarda-chuva num dia de sol quente, ainda encontramos acalento nas existências mínimas que nos atravessam. Alguém cede o... Continuar Lendo →

Prefere o ódio quem se alimenta dele

VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) E PEDRO NEGRÃO (FOTO) - De tempos em tempos conceitos caem, substituídos ou obsoletos, mas desumanizar não é tolerado, aliás, não devia ser. Em que pedaço do caminho passamos a ignorar a bússola do bom senso? Como viemos parar aqui? Com tantas possibilidades, chegamos ao consenso de optar pelo mais vil... Continuar Lendo →

O tempo que o tempo tem

VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) / PEDRO HENRIQUE NEGRÃO (FOTO) - Antes de mais nada: a gaiola fica aberta. Só serve de pouso aos pássaros que vem comer quirera e tomar água. Vez ou outra um se prende lá dentro, meu pai deixa o que estiver fazendo pra libertar a ave e abreviar sua agonia. Quando... Continuar Lendo →

As árvores da minha vida

PEDRO HENRIQUE NEGRÃO (FOTO) VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) - A silhueta do Jatobazeiro mora na minha memória desde sempre. Desde que eu ia de bicicleta, aos 4 anos pra escola da fazenda, a grande árvore dividia o caminho ao meio. Dali em diante é só descida. Depois o estábulo dos búfalos, cujos olhos azuis me... Continuar Lendo →

O prelúdio do fim do mundo

VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) E PEDRO NEGRÃO (FOTO) - Como é a vida quando você percebe que tem mais passado que futuro? Ainda não sei, mas faço uma vaga ideia. Quando num domingo abafado, o tempo vem lhe cutucar as costas com suas unhas afiadas. Bafejando em sua nuca que você esqueceu de tomar os... Continuar Lendo →

“Adeus meu pai, adeus minha mãe…”

VANESSA MARCONATO NEGRÃO (TEXTO) E PEDRO NEGRÃO (FOTO) - Nina já fez 13 anos. Quem vê de perto nota a névoa nos seus olhos, apesar do semblante altivo de quem guarda a casa e todo o mais necessário. Da família só não leva o sobrenome. Foi deixada, ela e uma ninhada de filhotes na estrada... Continuar Lendo →

WordPress.com.

Acima ↑